Marketing Eleitoral em 3 minutos e o SMS Marketing em pouco mais de 160 caracteres

Marketing Eleitoral em 3 minutos e o SMS Marketing em pouco mais de 160 caracteres
Não seja egoísta...Partilhe!
Share on Google+Share on LinkedInPin on PinterestTweet about this on TwitterShare on Facebook

Tal como uma empresa procura adequar o seu produto ao seu mercado, procurando posicioná-lo da melhor forma, para satisfazer as necessidades dos seus clientes, também a Política se afirma cada vez mais como um serviço em que é necessário o Marketing. Um mito comum é pensar que se um político ou Associação tem departamento de Marketing ou faz Marketing, então é porque quer parecer mais do que aquilo que é. Estar preocupado com o Marketing é exatamente preocupar-se com as pessoas em primeiro lugar, pois quando bem feito, o Marketing permite “ouvir” e “sentir” o mercado para oferecer o melhor serviço. Marketing Político vs Marketing Eleitoral em 2 minutos Antes de abordar o Marketing Eleitoral, faz-se aqui uma diferenciação: Marketing político pretende ajudar a construir uma imagem de longo prazo entre o candidato ou associação e o seu eleitorado, através de um conjunto alargado de iniciativas. O Marketing Eleitoral é mais focado num conjunto de técnicas de comunicação e de pesquisa dado que o tempo é limitado, ou seja é de curto prazo. O Marketing Eleitoral pretende desta forma adequar o candidato ao seu eleitorado potencial tornando-o mais conhecido, compatibilizando o seu discurso com os anseios e desejos da população. Seja Marketing Politico ou Eleitoral, este tipo de função ganha cada vez mais relevância. Porquê? Vejamos o passado do “longíquo” séc XX. Comunicação do Candidato no séc. XX

  • De um para muitos
  • Unidireccional, sem troca de ideias
  • Baseada em propaganda e materiais físicos (folhetos, canetas, autocolantes, sacos, etc)
  • “Venda” de imagem.

Com a massificação da Internet, o aumento da informação e educação por parte da população e pelo número crescente de propostas alternativas, a afirmação precisa de ser mais completa: Comunicação do Candidato no séc. XXI

  •  Troca de ideias
  •  Adequação da mensagem específica e não geral (não serve para todo o país ou estrato social)
  •   Pesquisa das necessidades da população (recebe informação, trata, para depois oferecer a solução)

Sumarizando, o candidato (ou associação, mas falaremos doravante de candidato) necessita de:

  • Perceber
  • Compreender

Para atender às necessidades manifestadas pelo seu “mercado” neste caso a população. É assim necessário ouvir, refletir e ter um discurso adequado, que possa ser simples (mas não simplista) por forma a ser entendido e assimilado pelo público-alvo. Só assim é possível criar empatia que é um dos estágios mais importantes para o sucesso de uma campanha. As pessoas querem um líder em que possam acreditar, sentindo que são genuinamente ouvidos e que ele responde aos seus anseios.

O plano de Marketing Eleitoral em 1 minuto: Tal como num projeto empresarial, um plano de Marketing permite não só adequar o candidato como otimizar a utilização dos recursos, humanos e materiais à sua disposição. Não é necessário um manual, mas alguns pontos são relevantes:

  • Ponto de partida: planeamento, sem isto não se consegue fazer o melhor caminho para o fim
  • Envolvimento: quantas mais pessoas forem envolvidas mais motivadas se sentem e comprometidas com o projeto
  • Pesquisa: dos adversários, dos problemas locais, das formas de solução, do feedback da população.  Este é um dos tópicos de maior relevância e muitas vezes esquecido porque se considera ser complexo, moroso, caro e só ao alcance de grandes máquinas. Mas, se o candidato não souber por amostragem, quais os problemas da população, como pode propor as melhores soluções? Arrisca-se a “atirar ao lado”. Quais os pontos fortes dos adversários? E fracos? Como agir com cada um deles?
  • Canais de comunicação: adequar os canais presenciais, com media, e redes sociais, cativar as pessoas.
  • AVALIAR a performance: como o discurso está a ser percebido, através de novos estudos para adequar comportamentos.

Foi colocado em destaque este último ponto pois é o mais “desprezado”. Uma campanha é um ser dinâmico com pressões, alterações, mutações e a mensagem pode necessitar de ser alterada ou a forma inicial não ser a mais correta. Desta forma consegue-se um discurso e consequente posicionamento… consistente moderno atual e sintonizado com as expectativas dos eleitores.

voto_pt

Sim e agora, e como é que o SMS Marketing entra em jogo no Marketing Eleitoral?

– Qual é o  canal de comunicação com uma taxa de penetração perto de 100% da população eleitoral,  e que é lida 95% das vezes num espaço de 5 minutos? Não é o folheto, nem o comicio, nem o encarte, nem carta: é o SMS. E com as vantagens:

  • Amigo do ambiente
  • Chega à data e hora mais adequada de acordo com a comunicação do candidato
  • Permite um efeito viral através do reencaminhamento, p.e. para convites para eventos
  • O telemóvel está sempre ligado. Pode não ter acesso a redes sociais nem email mas todos recebem SMS.
  • É personalizado e direto ao eleitor
  • Não é preciso fazer nada para receber a não ser…ler

O “velhinho” SMS ainda é o canal de excelência para levar as pessoas a agir mais rapidamente, com o minimo de complicação, e “à prova” de sistemas operativos e de acessos à Internet. E para os candidatos permite a transmissão rápida de uma mensagem, de um convite, de uma ideia, com uma taxa de leitura que nenhum outro canal de comunicação oferece. O SMS é assim um dos veículos mais eficazes de comunicação com o eleitorado. Que outro canal permite em segundos chegar a centenas ou milhares de pessoas devidamente segmentadas? exemplo sms Nuno Seleiro
Marketing Asserbiz (www.asserbiz.com)

Fonte bibliográfica: Eloá Moniz. Marketing Político: conceitos e definições

Não seja egoísta...Partilhe!
Share on Google+Share on LinkedInPin on PinterestTweet about this on TwitterShare on Facebook
It's the emotion, stupid!!! Artigo anterior It's the emotion, stupid!!! Faz sentido um sistema operativo com um nome de um chocolate? Próximo artigo Faz sentido um sistema operativo com um nome de um chocolate?