Para além do marketing

Marketing
Não seja egoísta...Partilhe!
Share on Google+Share on LinkedInPin on PinterestTweet about this on TwitterShare on Facebook

Marketing Como muitos profissionais da área com formação a condizer, foi-me incutido que o marketing deve permear todas as facetas da empresa, isto é, não deve haver um “departamento” de marketing que funciona independentemente de tudo o resto, mas sim uma filosofia ou abordagem de marketing global e transversal a todos os aspectos da empresa.

Pode parecer uma máxima trivial, retirada de um qualquer manual de marketing, mas as suas implicações são profundas: marketing é uma acitvidade multidisciplinar.

Se me posso atrever a dizê-lo, estudar marketing e/ou gestão durante 3 + 2 anos (como eu fiz) revela-se cada vez mais insuficiente. No caso particular do m-marketing, uma abordagem tradicional pode ser não só inútil como perigosa. Num mundo compacto, eletrónico e muito visual, onde a atenção é curta, há uma série de áreas que um marketeer deve procurar dominar (para além dos batidíssimos  “teamwork” e “capacidade de liderança”) se deseja ser minimamente eficaz.

1. Português

Obviamente. Qualquer marketeer depende fortemente dos seus dotes de escrita. Comunicar valor eficazmente só é possível através do domínio da linguagem, seja em que meio for. Existe infelizmente a tendência de reduzir o domínio da uma língua a uma percentagem ou nível qualitativo, mas saber escrever bem vai para além disso. É preciso muita prática: muita escrita e muita leitura. Saber escolher as palavras certas é a arma mais forte do marketing. Esta habilidade ganha importância redobrada no âmbito marketing de conteúdos, fundamental em social media e m-marketing.

2. Inglês

No excuses. Não falo do desenrasca, mas de um domínio praticamente bilingue. A pronúncia pode não ser fácil de dominar mas, desde que a mensagem passe, eu diria que não é a parte mais importante de aprender a língua. Todo e qualquer conteúdo técnico ou pedaço de informação relevante na Internet está escrito em inglês. Se também está escrito noutras línguas, garantidamente haverá uma fonte melhor e mais aprofundada em inglês. É a língua franca da Internet e não dominar a sua utilização é não ter acesso à melhor e mais imediata fonte de informação que está disponível a qualquer momento, bem como à esmagadora maioria dos mercados online.

3. Programação

Mais línguas. Para além do português (ou outra língua materna) e do super obrigatório incontornável inglês, aprender a programar é uma mais-valia subvalorizada. Se já estamos à partida a criar conteúdo online, aprender pelo menos como é que se faz uma simples landing page é uma vantagem crucial. Da mesma maneira que o mundo se americanizou e o inglês passou a permear as nossas vidas, à medida que os meios de comunicação social vão abandonando o mundo offline, saber programar para a web vai deixar de ser um ponto diferenciador para passar a ser uma necessidade.

4. Design

Nem sempre há tempo para captar a atenção de alguém com apenas texto: bom design faz isso por nós. Saber criar um design atraente e funcional, ou saber pelo menos qual é o aspecto de um design atraente e funcional, permite-nos estruturar o mesmo conteúdo de uma foram mais impactante (alguém disse infográficos?). Aprender a dar uns toques no Photoshop ou no Ilustrador e a fazer bom uso de tipografia online, vai multiplicar o impacto da nossa mensagem no ecrã de um smartphone. A primeira impressão pode selar o negócio.

5. Produção de Vídeo

Provavelmente o desafio mais assustador dos que estão aqui listados. Saber como produzir vídeo para a Internet exige imensa prática com uma série de ferramentas e muitas horas de aprendizagem até se produzirem resultados aceitáveis, mas a recompensa é imensurável. O consumo de vídeo online explodiu desde o advento dos smartphones, e um ou dois minutos de um vídeo bem estruturado tem um impacto emocional muito maior do que meses de conteúdo em texto. É um mix de todas as disciplinas anteriores: exige capacidade de redacção, storytelling, inglês (a não ser para mercados muito específicos), e obviamente design. Ter uma boa câmara digital pode ser necessário mas nem sempre é obrigatório.

6. SEO

Não digo dominar a matéria, mas saber pelo menos do que se trata bem como os básicos da indexação online. É um dos assuntos que está rapidamente a deixar de ser um bónus no nosso repertório para passar a ser uma obrigatoriedade. Podem ser muito bons a criar conteúdo mas se ninguém o vir, não serve de muito. (Ler artigo ‘SEO Mobile‘)

7. Tecnologia

Só para serem 7 coisas, decidi listar o super abstracto conceito de “tecnologia” para rematar o assunto. Sim, o micro-ondas também é tecnologia, mas aquilo a que eu me quero referir é a à capacidade de estar constantemente atualizado no que toca a eletrónica de consumo. Ser capaz de usar tecnologia recente e não ter medo de ir além da óptica do utilizador. A Internet é pouco mais do que um repositório imenso de tutoriais e informação.

A pergunta não é como é que eu começo a aprender estas coisas, mas sim quem é que me vai impedir?

Tiago Fernandes

Não seja egoísta...Partilhe!
Share on Google+Share on LinkedInPin on PinterestTweet about this on TwitterShare on Facebook
Não ter um site 'mobile ready' significa perder vendas Artigo anterior Não ter um site 'mobile ready' significa perder vendas tweet-coffee- Próximo artigo Starbucks 'Tweet a Coffee' - Um café pelo Twitter